31 de out de 2010

Blog Bieau foi discutido no simpósio 56 do II congresso da Internacional do Conhecimento


O blog BIEAU foi discutido no simpósio El acceso a la información: estrategias para enfrentar los desafíos y oportunidades, integrante do segundo Congreso Congreso Ciencias, Tecnologías y Culturas. Foi apresentada a trajetória histórica da fundação da RIBEAU e o percurso de criação deste blog, bem como algumas de suas características técnicas e potencialidades para o compartilhamento de informações.  

Pesquisadores de diferentes países e instituições, que ainda não conheciam o projeto, se vincularam ao blog como autores, responsáveis por ampliar o intercâmbio de informação interdisciplinar. 

Na foto acima, da esquerda para direita temos os novos colaboradores ao lado de alguns dos atuais: Rodrigo Ávila (mestrando Universidade de Brasília - UnB, Brasil), Paola Roncatti (Colegio de Bibliotecarios de Chile), Maria Mary Ferreyra (professora Universidade Federal do Maranhão, Brasil), Fayga Rocha Moreira (doutoranda Universidade Federal da Bahia, Brasil), Anna Szlejcher (professora Universidad Nacional de Córdoba, Argentina), André Lopez (Professor UnB), Mayra Romero (Comisión de Acceso a la Información Pública y Protección de Datos Personales del Estado de Tlaxcala, México) e Marta Ceballos (professora Universidad Tecnológica Nacional, Argentina). Na foto abaixo, à direita a "fotógrafa" da 1ª foto, Darcilene Rezende (professora UnB) junta-se aos demais.


Com esses novos membros o blog BIEAU para a contar com professores e alunos de diversos níveis e áreas  de formação, representando 4 países, com uma perspectiva aberta e multidisciplinar.

30 de out de 2010

Simpósio sobre acesso a informação começa hoje no Chile.
Acesse aos resumos!


O simpósio EL ACCESO A LA INFORMACIÓN: ESTRATEGIAS PARA ENFRENTAR LOS DESAFÍOS Y OPORTUNIDADES, integrante do segundo Congreso Ciencias, Tecnologías y Culturasdiálogo entre las disciplinas del conocimiento - mirando al futuro de América Latina y el Caribe. Começará hoje. Os objetivos deste evento foram assim apresentados em sua convocatória:
  • El objetivo de este simposio es reflexionar sobre las implicancias de las tecnologías actuales en la preservación de la memoria e identidad de los pueblos y, consecuentemente, con las demandas de los ciudadanos de acceso a la información desde distintas perspectivas: administrativa, archivística, bibliotecológica, de la comunicación, del derecho, ética, histórica, política, teórica, crítica, etc. Esta reflexión se ha ido vinculando, de manera creciente y autónoma, a la finalidad otorgada por sus creadores y a la acuciante discusión sobre la identidad del hombre en su cultura.
  • El impacto y desarrollo de las tecnologías dio por resultado un nuevo paradigma denominado “Sociedad de la Información”, que ya algunos autores denominan “Sociedad del Conocimiento”. Y está dado por el acceso a la información y a las posibilidades que ofrecen las tecnologías y los medios de comunicación para acceder a las mismas y democratizar el conocimiento. 
  • El libre flujo de la información y las ideas es central para la propia noción de la democracia y, también, trascendental para que se respeten eficazmente los derechos humanos.
  • Un ejemplo de esto, son los países de América Latina que han vivido una situación de represión política, después de los años 1960, han emprendido, aunque de manera desigual, una lucha por el derecho de acceso a las informaciones, tratando de desarrollar leyes y políticas de protección del patrimonio documental del periodo de las dictaduras.
  • La importancia del derecho a la información, o el derecho a saber, es mencionada cada vez más por las personas que ejecutan proyectos de desarrollo, la sociedad civil, el sector académico, los medios de comunicación social y los gobiernos.
  • El propósito de este simposio en el marco del II° Congreso Internacional de Ciencias Tecnologías y Culturas, diálogo entre las disciplinas del conocimiento, hacia el futuro de América Latina y El Caribe es reflexionar acerca de las posibilidades y oportunidades, que ofrece la “Sociedad del Conocimiento”, para potenciar la participación de los ciudadanos y de los profesionales de la información en las actividades políticas, económicas, sociales y culturales.
  • Esta activa participación de la sociedad civil ha generado un cambio en la forma de acceder y conocer la información, especialmente la relacionada con la actividad estatal, por este motivo es trascendental contar con una legislación equilibrada que reconozca los derechos de los ciudadanos para acceder a este tipo de información, en forma transparente y efectiva, y, al mismo tiempo recurrir estratégicamente a las nuevas tecnologías para entregar al ciudadano un acceso eficiente a la información que necesita, tratando de crear una red social a nivel latinoamericano que permita cumplir con los fines descritos.
Clique aqui para acessar aos resumos sobre acesso à informação.

Clique aqui para acessar postagem sobre o congresso Ciencias, Tecnologías y Culturas e sobre o movimento Internacional del Conocimiento.

26 de out de 2010

Palestras sobre Politica Arquivística


PALESTRAS 

Definición de una Política para Archivos - Aída Luz Mendoza Navarro (Peru)
Política Archivística en Andalucía - Antonia Heredia Herrera (Espanha)

EVENTO GRATUITO

Inscrições  apenas on line até  01 de novembro de 2010 no site da AAB http://www.aab.org.br/  (eventos / outros eventos / palestras)

Dia 04 de novembro de 2011, às 18:30 hs

Auditório do CCH da Uni-Rio (Térreo) – Faculdade de Arquivologia - Urca, RJ



DEFINICIÓN DE UNA POLÍTICA PARA ARCHIVOS

Dra. Aida Luz Mendoza Navarro
Advogada e ex-directora de AGN de Perú

             Los archivos a lo largo de su existencia han atravesado por diversos momentos que van marcando su historia, no siempre favorables para su conservación. En ese escenario las pérdidas de valiosos documentos han sido cuantiosas, por tanto una de las formas para mejorar su atención es la definición de una Política Nacional Archivística que facilite la realización de diversas acciones en procura de mejores tiempos para los archivos.
        Una política para ser pública debe ser de responsabilidad de una organización pública, por tanto deberá ser asumida preferentemente por el organismo responsable de los archivos a nivel nacional. Además será importante contar con leyes y medidas administrativas, para su concreción, así como del apoyo de la ciudadanía porque los documentos de los archivos constituyen un bien público que le pertenece a toda la sociedad.


POLÍTICA ARCHIVÍSTICA EN ANDALUCÍA
  
Dra. Antonia Heredia Herrera
Doctora en Historia
Archivera

             En España no puede hablarse de política archivística de las Regiones sino  es a partir de la Constitución de 1978 que establece una descentralización en la estructura del país que va a atribuir competencias sobre los Archivos y sobre el Patrimonio documental a cada una de las 17 Comunidades autónomas.
            Es el Estatuto de autonomía para Andalucía el punto de partida para el desarrollo de su  respectiva política.
            Trataré de marcar y analizar, hasta donde sea posible, los hitos y algunos de los instrumentos de dicha política, ciñéndome a los años en los que estuve vinculada a la Junta de Andalucía como Directora del Archivo General de Andalucía.
            Mi exposición tendrá como consecuencia hablar de buena parte de la teoría archivística a partir de  su aplicación en una de las regiones españolas que más ha desarrollado su política en materia de Documentos y de Archivos.
  • Competencia y cuerpo legal
  • El Archivo General de Andalucía (1997)
  • El Reglamento del Sistema andaluz de Archivos (2000)
  • La Comisión andaluza calificadora de documentos administrativos (CACDA,2000)
  • El Censo de Archivos
  • Bases de datos (CENSARA, CENFOCOA, BIBARA)
  • La formación 

 REALIZAÇÃO
Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI) / Instituto de Arte e Comunicação Social (IACS) / Universidade Federal Fluminense (UFF)
Secretaria de Estado da Casa Civil do Governo do Rio de Janeiro/Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro (APERJ).

APOIO
Capes, Faperj, AAB e Unirio

Adaptado de e-mail recebido por André Lopez

25 de out de 2010

I Seminário de Estudos Arquivísticos - ÚLTIMO DIA DE INSCRIÇÃO


I SEMINÁRIO DE ESTUDOS ARQUIVÍSTICOS
A Gestão Documental no Contexto da Administração Pública Estadual do Brasil

Vagas limitadas
Inscrições até o dia 25/10/2010: seminário.estudos.arquivisticos@aperj.rj.gov.br

No Brasil, a preocupação com a gestão de documentos acompanha o processo de construção da sociedade democrática a partir da década de 1980, contexto no qual se afirmou a transparência de Estado e o direito à informação como um dos pilares da renovação da administração pública. Em tempos mais recentes se constata os efeitos dessa ordem, com várias unidades da federação implementando programas de gestão documental.
Parceria inédita estabelecida entre governo e universidade - Secretaria de Estado da Casa Civil/Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro e Universidade Federal Fluminense - vem demonstrando a importância do desenvolvimento de pesquisas científicas aplicadas para a definição de requisitos metodológicos que sustentem a implantação do Programa de Gestão de Documentos do Estado do Rio de Janeiro (PGD-RJ), com claros benefícios para a administração pública e para todos os cidadãos.
Este seminário configura um momento de reflexão sobre a atualidade da gestão de documentos, promovendo um debate com contribuições internacionais sobre os fundamentos, modelos, metodologias e resultados obtidos na implantação de programas de gestão de documentos na administração pública estadual brasileira.
PERÍODO
3, 4 e 5 de novembro de 2010.
LOCAL
Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE, RJ) - Auditório
Praça da República, 54/56 – Centro – Rio de Janeiro, RJ
PÚBLICO
Gestores públicos, servidores públicos (municipais, estaduais e federais), estudantes de cursos de graduação e pós-graduação e demais profissionais interessados.
REALIZAÇÃO
Secretaria de Estado da Casa Civil do Governo do Rio de Janeiro/Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro (APERJ).
Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI) / Instituto de Arte e Comunicação Social (IACS) / Universidade Federal Fluminense (UFF)
APOIO
Capes, Faperj, TCE, Arquivo Nacional

PROGRAMAÇÃO

3 de novembro, quarta-feira
15h – Solenidade de abertura
15h30 – Conferencia
Coordenação: Jaime Antunes da Silva (Arquivo Nacional)
·         El reto de la e-gestión
Antonia Heredia Herrera (Universidad Internacional de Andalucia, Espanha)
4 de novembro, quinta-feira
9h – 12h30 – Mesa 1: Política de Gestão de Documentos no contexto da administração do Estado
Coordenação: Paulo Knauss (Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro)
  • Concepto y modelos de programas de gestión de documentos
Joaquim Llansó Sanjuán (Universidad Publica de Navarra, Espanha)
  • e-ARQ Brasil: diretrizes e requisitos para um sistema informatizado de gestão de documentos
Claudia Lacombe Rocha (Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos do CONARQ)
10h30 – 10h45 – intervalo
  • Gestão de documentos como política arquivística e fundamento da transparência administrativa
José Maria Jardim (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – Unirio)
  • O arquivo como ferramenta para o funcionamento da administração do Estado
Ana Maria de Almeida Camargo (Universidade de São Paulo)
12h30 – 14h30 – almoço
14h30 – 18h – Mesa 2: Programa de Gestão de Documentos nos Estados do Brasil: fundamentos e modelos
Coordenação: Célia Costa (Museu da Imagem e do Som)
  • Programa de Gestão de Documentos e Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos do Estado do Rio de Janeiro
15h15– 15h30 – Intervalo
  • Estudos de caso: Espírito Santo, Minas Gerais, Paraná, São Paulo e Rio Grande do Sul

5 de novembro, sexta-feira
9h – 12h30 – Mesa 3: Fundamentos teóricos e metodológicos dos Programas de Gestão de Documentos
Coordenação: Carlos Henrique Marcondes (Universidade Federal Fluminense)
·         A classificação como função matricial da gestão de documentos 
Renato Tarciso Barbosa de Sousa (Universidade de Brasília)
·         Identificação e avaliação no contexto dos Programas de Gestão de Documentos: a perspectiva da diplomática contemporânea
Ana Célia Rodrigues (Universidade Federal Fluminense)
10h30 – 10h45 – intervalo
  • Integración de los documentos tradicionales y digitales en la gestión documental
Aída Luz Mendoza Navarro (Universidad Católica Sedes Sapientiae, Peru)
·         Descrição e representação de conteúdos informacionais a serviço da gestão de conteúdos na web: uma discussão dos processos e ferramentas envolvidas
Maria Luiza de Almeida Campos (Universidade Federal Fluminense)
12h30 – 14h30 – almoço
14h30 – 18h – Mesa 4: Programa de Gestão de Documentos nos Estados do Brasil: metodologias e resultados
Coordenação: Paulo Elian dos Santos (Fiocruz)
  • O sistema de identificação de tipologias documentais do PGD-RJ e sua pertinência para a construção dos instrumentos de gestão de documentos (plano de classificação e tabela de temporalidade)
15h15 – 15h30 – Intervalo
  • Estudos de caso: Espírito Santo, Minas Gerais, Paraná, São Paulo e Rio Grande do Sul
18h – Mesa de Encerramento


JORNADA
GESTIÓN DE DOCUMENTOS
Vagas limitadas
Inscrições até o dia 25/10/2010: jornada.gestion.documentos@aperj.rj.gov.br

Profesor
Joaquim Llansó Sanjuan
(Director del Archivo General de la Universidad Pública de Navarra, España)

Programa

  • Gestión de documentos: concepto
  • Los modelos de gestión de documentos
  • La normalización en gestión de documentos y archivos: la norma ISO 15489.
  • La evolución hacia la gestión de los documentos electrónicos
§  Los sistemas archivísticos institucionales: planificación, programación y organización archivística

Data e Local
01 de novembro de 2010, segunda-feira
9h – 16h30 (12h30 – 13h30 – almoço)
Arquivo Nacional – Auditório Principal
Praça da República, 173 – Centro – Rio de Janeiro, RJ


Comissão Organizadora
Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação / Universidade Federal Fluminense
Ana Célia Rodrigues (presidente)
Carlos Henrique Marcondes
Rosa Inês Novais
Secretaria de Estado da Casa Civil do Governo do Rio de Janeiro / Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro
Maria Rosângela da Cunha
Paulo Knauss

24 de out de 2010

Faculty position in Archival Studies


THE UNIVERSITY OF BRITISH COLUMBIA
Faculty position tenure-stream
ARCHIVAL STUDIES

The School of Library, Archival and Information Studies (SLAIS) at the University of British Columbia invites applications for a full-time position to begin July 1, 2011, subject to final budgetary approval. The position is expected to be filled at the rank of tenure-track Assistant Professor, although outstanding candidates may be considered for appointment at a higher rank. Salary will be commensurate with qualifications and experience. Candidates should demonstrate achievement of, or potential for, excellence in teaching, research, and service in an interdisciplinary environment.

The successful candidate will be expected to teach and conduct research in the area of archival studies, broadly interpreted. Applications are particularly encouraged from candidates with knowledge in areas of archives theory and practice that complement the strengths of the archival program and the faculty at the School; a strong research record appropriate to their experience; and the ability to forge interdisciplinary research and/or teaching relationships within the School and beyond. As the School moves into a phase of growth and new leadership, the successful candidate will have the opportunity to help shape the direction of archival education for the 21st century, and to work with outstanding Masters and doctoral students.

Applicants must hold a Ph.D. or equivalent degree in a field related to the teaching and research areas of the position, or anticipate early completion of the doctorate within six months following the position start date. Applicants must demonstrate excellence in research and scholarly activity; have a publication record commensurate with their experience; and provide evidence of teaching effectiveness. 

The University of British Columbia holds an international reputation for excellence in advanced research and learning. It is located in Vancouver, Canada, one of the world’s most beautiful and culturally-diverse cities. The School offers an ALA-accredited Master of Library and Information Studies (MLIS), a Master of Archival Studies (MAS) (both with an optional First Nations Concentration), a Dual MAS/MLIS, a multidisciplinary Master of Arts in Children’s Literature (MACL), and a doctorate in library, archival and information studies leading to the awarding of a Ph.D. Further information about the School can be found at www.slais.ubc.ca.

The deadline date for receipt of applications is January 10, 2011. Application materials should include a cover letter stating the candidate’s qualifications for the position, projected research agenda, and teaching philosophy; current curriculum vitae; and the names and contact information of a minimum of three referees.

Address enquiries and applications to:
Caroline Haythornthwaite, Director and Professor
Chair, Faculty Search Committee
School of Library, Archival and Information Studies (SLAIS) 
The University of British Columbia
The Irving K. Barber Learning Centre
Suite 470, 1961 East Mall
Vancouver, British Columbia V6T 1Z1 CANADA

The University of British Columbia hires on the basis of merit, and is committed to employment equity. We encourage all qualified persons to apply; however, Canadian citizens and permanent residents of Canada will be given priority.


Reproduzido de e-mail recebido por Anna Szlejcher

19 de out de 2010

Começa o IV CNA



Clique na imagem para acessar a página do IV CNA

HISTÓRICO
CNA
O I Congresso Nacional de Arquivologia (CNA) foi realizado em novembro de 2004, em Brasília, e teve como tema “Políticas e práticas ao acesso a informação”. O II CNA foi em Porto Alegre, em 2006, e os participantes debateram sobre “Os desafios dos Arquivistas na sociedade do conhecimento”. Em 2008, o III CNA foi no Rio de Janeiro e pela primeira vez realizado pela Executiva Nacional de Associações Regionais de Arquivologia (Enara), entidade idealizada durante o II CNA. Em terras cariocas, profissionais, estudantes e instituições puderam refletir sobre a “Arquivologia e suas múltiplas interfaces”. Em 2010, a 4ª edição do CNA será em Vitória (ES), entre 19 e 22 de outubro, e terá como tema “A gestão de documentos arquivísticos e o impacto das novas tecnologias de informação e comunicação”. O objetivo da versão capixaba do CNA, o IV CNA em 2010, é promover debates sobre os desafios do arquivista na sociedade, o gerenciamento de informações digitais e o desenvolvimento científico e tecnológico da Arquivologia. 

UFES
A Ufes foi originada da antiga Universidade do Espírito Santo, criada em 1954, mantida e administrada pelo governo estadual. Em janeiro de 1961 foi transformada em universidade federal no governo de Juscelino Kubitschek. Logo em seguida iniciou-se o planejamento para concentrar todos os cursos no mesmo espaço, e foi desapropriada uma grande área no atual bairro de Goiabeiras com 1,5 mil m². Pouco a pouco a Ufes foi se expandindo e, na década de 1970, ainda em Vitória, inaugurou o atual Centro de Ciências as Saúde (CCS) e o Hospital Universitário Antonio Cassiano de Moraes (Hucam), em Maruípe. Dando continuidade a expansão da década de 1970, a instituição instalou ao sul do Estado, na cidade de Alegre, o Centro de Ciências Agrárias (CCA). Em 2006 foi criado no norte do Estado do Espírito Santo, na cidade de São Mateus, o Ceunes, o Centro Universitário Norte do Espírito Santo. A Ufes é hoje a universidade federal que mais cresceu nos últimos quatro anos na pós-graduação, com cerca de 1,3 mil mestrandos e 200 doutorandos. O número de cursos de graduação também cresceu de 2002 até hoje, saltando de 47 para 74. A oferta de vagas para a graduação presencial também aumentou no período: em 2002 foram ofertadas 2.745 vagas, e, em 2008, 3.995 vagas. 

O CURSO DE ARQUIVOLOGIA 
A primeira proposta para criação do curso de Arquivologia no Espírito Santo data do início da década de 1980 e por iniciativa da direção do Arquivo Público do Estado do Espírito Santo (APEES). O Espírito Santo estava se modernizando e sua economia apresentava sinais de desenvolvimento. O fomento econômico amplia os postos de trabalho. Conjuntamente a este fator, o desenvolvimento tecnológico vivido a partir desta década coloca em foco a questão da informação. E os profissionais da informação e com conhecimento específico em informações orgânicas registradas passaram a ser requisitados pelas empresas locais, públicas ou privadas. Mas estas justificativas não foram suficientes para motivar os dirigentes e órgãos competentes da UFES na época e o projeto foi arquivado. Mais de uma década depois, em 1996, foi criado o primeiro curso de Especialização em Arquivos na UFES e, em 1999, foi oferecida sua segunda versão. Estas duas versões do curso de Especialização em Arquivos foram de grande importância para a história do curso, pois não só capacitou os professores do então Departamento de Biblioteconomia, como também resgatou a discussão sobre a criação de um curso na área. A Universidade estava mais aberta para criação do curso ¬nesse momento e o mercado capixaba dava sinais de grande procura por este profissional. Em julho de 1999 foi concedido ao Departamento de Biblioteconomia parecer favorável para a criação e implantação do curso de graduação em Arquivologia. No mesmo ano, o currículo do curso foi aprovado, com carga horária total de 2,4 mil horas, sendo 1.530 horas de disciplinas obrigatórias e 870 horas de disciplinas complementares. A aula inaugural foi ministrada pelo professor Carlos Rossato em 14 de março de 2000. Entretanto, o reconhecimento do curso ocorreu mais tarde, com a Portaria nº 3.458 em 25 de Novembro de 2004. O curso de Arquivologia da Ufes já formou mais de 200 profissionais. Os profissionais formados preenchem com muita competência as oportunidades que surgem no mercado de trabalho capixaba, inclusive despontando nos primeiros lugares nos concursos públicos na área. Em 2008, o curso de Arquivologia aderiu ao projeto REUNI para poder crescer e melhorar sua estrutura física e pedagógica. E em 2009 foi criado o Departamento de Arquivologia, conquistando mais autonomia administrativa e pedagógica.

A ARQES
A Associação dos Arquivistas do Espírito Santo (AARQES) foi criada oficialmente em março de 2005. As motivações foram anteriores há este ano. Em 2004 foram realizados na Ufes encontros e debates no Centro Acadêmico sobre a questão do associativismo e surgiu a vontade de organizar uma instituição que defendesse os interesses dos novos arquivistas que graduavam pela universidade. Uma instituição que também pudesse divulgar a Arquivologia e articular parcerias entre universidade, empresa e governo. A maior dificuldade encontrada inicialmente foi a participação dos profissionais nas ações movidas pela recém criada associação. Outra dificuldade foi a estruturação da entidade, faltavam espaço físico e recursos financeiros. De início faltavam projetos e pessoas envolvidas na luta pelo reconhecimento da instituição e na consolidação de sua representação como sociedade civilmente organizada. Atualmente a AARQES tem o reconhecimento e representatividade nos conselhos de cultura, Estado e municípios. A Ufes, representada pelo antigo Departamento de Ciências da Informação e atual Departamento de Arquivologia, sempre apoiou os eventos e projetos da AARQES. Outro grande parceiro, principalmente na luta pela gestão do patrimônio documento capixaba, é o Arquivo Público do Espírito Santo (APEES). Também configuram importantes parcerias, as associações regionais, principalmente depois da criação da Enara. Hoje a AARQES tem uma atuação bastante dinâmica e reconhecida não só pelos seus membros, mas também pelas instâncias arquivísticas acadêmicas e profissionais.


Acesse aqui a página do IV CNA

Adaptado de e-mail enviado por Anna Szlejcher