27 de jul de 2012

Arquivos e direitos humanos



Documentos essenciais para a compreensão da violação de direitos humanos no Uruguai estavam jogados em um fosso de elevador. Hoje encontram-se submetidos a tratamento técnico, sob a responsabilidade da arquivista  Liliana Gargiulo, em espaço cedido pelo Museu de Arte Pré-colombiana e Indígena (MAPI). Os resultados preliminares foram apresentados em uma reunião pública, com o objetivo de compartilhar informações. 

Os documentos encontrados, segundo Liliana Gargiulo, são constituídos por cerca de 100 pacotes e 07 gavetas. Até o momento foram organizadas 10 caixas, com ações de conservação preventiva, como troca de embalagens e pastas. Também se iniciou a classificar as fichas de acordo com os departamentos produtores, agregando uma especificação sumária de dados para facilitar o processamento. O material estará disponível à pesquisa após o término dessa etapa de organização.

Mais notícias, fotos e vídeo sobre a reunião estão disponíveis na página da Presidência da República Oriental do Uruguai, aqui.

Adaptado de informação enviada por Liliana Gargiulo

23 de jul de 2012

I Encontro Nordestino – "O mundo dos trabalhadores e seus arquivos"


A comissão organizadora do I Encontro Nordestino – O mundo dos trabalhadores e seus arquivos divulgou sua programação, que ainda pode estar sujeita a algumas mudanças, e abriu inscrições para submissão de trabalhos até o dia 28 de Julho de 2012. O Encontro, a ser realizado em Agosto, é promovido pela parceria entre o NuDoc (Núcleo de Documentação sobre os movimentos sociais da UFPE), a CUT-PE , o Arquivo Público Estadual de Pernambuco e o Grupo de Estudos Trabalho e Ambiente em Sociedades Açucareiras da UFPE. 

Informações mais detalhadas sobre inscrições e programação podem ser obtidas diretamente no blog do evento em: http://arquivosdetrabalhadores.wordpress.com/

O evento é desdobramento das edições nacionais anteiroes do encontro  O mundo dos trabalhadores e seus arquivos, que acabou de publicar livro com os textos do segundo seminário, ocorrido em 2011.

Adaptado de informações repassadas por Antonio Jose Marques

20 de jul de 2012

Manipulação de documentos de arquivo e saúde no trabalho

As jornadas dedicadas à saúde no trabalho da Universidade de Oriente, núcleo de Sucre, Venezuela preveem um importante espaço para a discussão de questões relacionadas à manipulação e armazenamento de documentos., conforme pode ser visto na programação abaixo.
PROGRAMA
III JORNADAS DE SEGURIDAD Y SALUD LABORAL
 Jueves 26  de julio de 2012
HORA
ACTIVIDAD
EXPOSITOR
07:00-08:00 am
Recepción, registro de participantes y entrega de material

8:00-08-15 am
Himno Nacional de la República Bolivariana de Venezuela, Himno del Estado Sucre, Himno Universidad de Oriente

8-15-8:25 a.m.
Declaración de Riesgos

8:25-09:00 am
Instalación

9:00-9:45 am
Refrigerio


9:45-12:00 pm
“Relajación, Autoestima y Crecimiento Personal, Herramientas Claves para mejorar las Condiciones Laborales y Personales”

Prof. Fanny Muñoz
12:00-1:30 pm
Almuerzo  Libre

1:30- 2:15  pm
“Mitos y Realidades de la LOPCYMAT, en el ámbito Universitario”
Coronel Luís Guzmán
2:15 -2:30 pm
Preguntas y Respuestas

2:30-3:00 pm
Charla “Educación y  Seguridad Vial”
INTT
3:00-3:30 pm
Refrigerio

3:30-4:15 pm
“Adicciones, su incidencia en el ámbito Laboral y cómo Prevenirlas”
ONA
4:15-4:30 pm
Preguntas y Respuestas

4:30-5:20 pm
“Medidas de Seguridad, manipulación y Resguardo de Documentos, como acción para mejorar las condiciones laborales e Institucionales”. 


Profa Edecia Hernández
 Viernes 27 de julio de 2012
9:00-9:45 a.m.
“Declaración de enfermedad Ocupacional, según la Norma Técnica NT-(NT-02-2008)”. 
Ing. Maryan O. Villarroel
9:45-10:00 a.m.
Preguntas y Respuestas

10:00-10:30 am
Charla “ Medidas Preventivas y Sanitarias necesarias en la Manipulación de Alimentos”
SACS-SUCRE
10:30-11:00 am
Refrigerio

11:00-11:45 am
“Disfunción Sexual y Estrés Laboral”
Dra. Yanire Jiménez

11:45-12:00 am
Preguntas y Respuestas

12:00-1:30 pm
Almuerzo  Libre

1:30- 2:15  pm
“Obesidad y su incidencia en la Salud de los Trabajadores y Trabajadoras
Lcda. Virginia Peroza
              INN
2:15 -2:30 pm
Preguntas y Respuestas

2:30-3:00 pm
Charla “ Primeros Auxilios y Atención Inmediata en caso de Accidentes Laborales”
Lcdo. Rafael Rodríguez
Srgto. Sdo. de Bomberos UDO
3:00-3:30 pm
Refrigerio

3:30- 4:15 pm
“Seguridad Ciudadana y su Incidencia en el Ámbito Laboral ”
DIBISE
4:15-4:30 pm
Preguntas y Respuestas

4:30- 5:30 pm
“Riesgos Eléctricos, Aplicación de Medidas  Preventivas para evitarlos y Uso Racional y Eficiente de la Energía”
Ing. Fidel Figueroa, Ing. Oswaldo  Alvarado e Ing. Lesbia  Ramírez.
5:30-6:00 p.m.
Entrega de certificados




Maiores informações podem ser obtidas diretamente pelo e-mail marinagonz13@gmail.com 


Adaptado de informações envidas por Edecia Hernández

9 de jul de 2012

Programa ICA 2012


A programação do Congresso 2012 do Conselho Internacional de Arquivos já está disponível no web site do evento. No âmbito da organização do Bieau destaca-se a comunicação de Anna Szlejcher sobre direitos humanos a partir dos arquivos argentinos ("Interdependence between Human  Rights: research on  Historical Memory  and Archives in  Argentina") no dia 21 de agosto pela tarde.

Extrato da programação geral - clique na imagem para ampliar
Clique na imagem acima para baixar a programação científica completa

Mais informações sobre o ICA2012 podem ser obtidas diretamente em http://www.ica2012.com/.

3 de jul de 2012

Lançamento - Arquivos do Mundo dos Trabalhadores


A coletânea “Arquivos do Mundo dos Trabalhadores” reúne artigos de arquivistas, historiadores e cientistas sociais que participaram, como palestrantes, do 2º Seminário Internacional “O Mundo dos Trabalhadores e seus Arquivos: Memória e Resistência”, evento promovido pelo Arquivo Nacional e pela Central Única dos Trabalhadores (CUT Brasil), em 2011. São dez artigos, iniciando pelo de André Porto Ancona Lopez, professor da Universidade de Brasília, que apresenta alguns conceitos arquivísticos para principiantes na matéria e introduz o leitor no universo dos acervos sociais. Em seguida, Benito Schmidt e Clarice Speranza apresentam as ações que visam constituir a documentação da Justiça Trabalhista, em especial os processos trabalhistas, como patrimônio histórico. Também analisam as potencialidades desses documentos como fontes.

O arquivista espanhol Antonio Gonzalez Quintana escreve sobre as operações desenvolvidas por algumas pessoas e instituições, desde o início do século XX, para recuperar e preservar arquivos do movimento operário, particularmente na Europa. Também relata sobre algumas atividades de recolhimento de arquivos operários com fins instrumentais e apresenta modelos atuais de gestão de arquivos do movimento operário em várias partes do mundo. Quintana, integrante dos “Arquivistas sem Fronteiras”, é reconhecido mundialmente pelo trabalho desenvolvido no “Grupo de Trabalho de Arquivos e Direito Humanos do Conselho Internacional de Arquivos”. Ele é autor do importante livro “Gestão de Arquivos para a Defesa dos Direitos Humanos”, lançado pela Comisiones Obreras, central sindical espanhola.

Os três artigos seguintes são de pesquisadores franceses. O historiador e cientista político Bruno Groppo nos oferece uma visão geral sobre os arquivos do movimento operário na Europa. A arquivista da Confederação Francesa Democrática do Trabalho (CFDT), Annie Kuhnmunch, relata a história dos “Serviços de Arquivos” na entidade e como os documentos são organizados. Elatambém traz um interessante extrato do catálogo dos seus arquivos onde estão descritos documentos que informam sobre as relações entre a CFDT e o Brasil entre 1971 e 1988. Aurélie Mazet é arquivista do Instituto de História Social da Confederação Geral do Trabalho (CGT), outra central sindical francesa. No seu artigo faz uma resenha sobre a história da CGT e do Instituto, apresenta a política documental da entidade e como se dá a gestão dos arquivos, sua classificação, divulgação e valorização. Também descreve o caso do sequestro dos arquivos da CGT durante a II Guerra Mundial, relaciona alguns fundos custodiados e apresenta a Fototeca da entidade. Os artigos da Annie e o de Aurélie referem-se também à interessante experiência do “Coletivo dos Centros de Documentação em História Operária e Social” (CODHOS), iniciativa que reúne dezenas de entidades com objetivo de desenvolver projetos para a preservação e divulgação dos acervos dos trabalhadores e dos movimentos sociais.

O próximo artigo é de Christine Coates, bibliotecária responsável pela “TUC Library Collections”. Christine foi presidente do “Comitê de Arquivos” da importante entidade “Sociedade para o Estudo da História do Trabalho”, da Inglaterra. Por motivos pessoais ela não pode vir para o seminário, mas enviou para publicação o seu artigo sobre os arquivos sindicais na Grã-Bretanha. Nele relata sucintamente quais arquivos do movimento operário inglês foram preservados, apresenta a “TUC Library Collections”, que reúne documentos da Trade Union Congress (TUC), central sindical inglesa, relaciona as principais instituições inglesas que preservam arquivos dos trabalhadores, informa sobre o programa de digitalização levado a cabo pela TUC e aponta a necessidade de se lidar com a gestão dos arquivos digitais.

O artigo do historiador Ricardo Medeiros Pimenta mostra que os arquivos sindicais são importantes campos de pesquisa para a construção das memórias. Ele também faz um trabalho comparativo sobre o desenvolvimento dos arquivos sindicais na França e no Brasil. Conclui apontando que as novas tecnologias e a informatização são desafios a serem enfrentados.

Os dois últimos capítulos do livro remetem ao arquivo rural e a memória camponesa. Guillermo Palacios, pesquisador do “Centro de Estudios Históricos” do “El Colégio de México“ nos leva à guerra civil mexicana e ao longo processo de reforma agrária que teve início no país. Discorre sobre o desenvolvimento dos arquivos, a busca de documentos pelos camponeses para terem acesso a terra e o surgimento do Arquivo Geral Agrário (AGA), entidade estatal e experiência única no mundo no âmbito dos arquivos rurais. Por fim, o pesquisador do Museu Nacional, José Sérgio Leite Lopes, discorre sobre a memória camponesa e memória operária e a experiência de trabalho com entrevistas e arquivos em território comum aos trabalhadores rurais e aos operários. Também relata o desenvolvimento do projeto Memória Camponesa e Cultura Popular e sua experiência como diretor do documentário “Tecido Memória”, produzido com operários e operárias têxteis de origem camponesa.

Organizado por Antonio José Marques, do Centro de Documentação e Memória Sindical da CUT, e Inez Terezinha Stampa, do Centro de Referência Memórias Reveladas, do Arquivo Nacional, o livro traz ainda o relatório final do seminário com as recomendações, propostas e moções aprovadas.

Arquivos do Mundo dos Trabalhadores

Reproduzido de e-mail enviado por Antonio José Marques