28 de dez de 2010

Programa de Doctorado en Información y Documentación de la USAL

Se ha aprobado el programa de doctorado en Información y Documentación de la Universidad de Salamanca de acuerdo con las nuevas directrices del Espacio Europeo de Educación Superior (puede consultarse la información pulsando acá) y, aunque las fechas que aparecen en el web sobre la matrícula ya han pasado, se van a admitir las preinscripciones hasta el mes de febrero. En principio, cualquier persona que haya cursado un máster de 60 créditos ECTS podrá acceder directamente a la matrícula y tutorización de la tesis doctoral (o, si se acuerda, deberán matricularse en dos cursos metodológicos que podrán realizar de forma no presencial). Los alumnos extranjeros que estén en posesión de un título de maestría deberán solicitar la homologación de ésta en la Universidad de Salamanca y, si ésta se concede, podrán igualmente matricular la tesis doctoral. Para cualquier información adicional deben ponerse en contacto con Yolanda Martín González, la coordinadora del programa (ymargon@usal.es).

Adaptado de mensaje de José A. Frías recibida por e-mail

17 de dez de 2010

“A contribuição do Projeto Interpares 3" - Palestra de Claudia Lacombe

Por Rosamaria Mello



No dia 09/11/2010, durante a Semana do Arquivista da Universidade de Brasília, Claudia Carvalho Masset Lacombe Rocha (Arquivo Nacional) abordou “A contribuição do Projeto Interpares 3" (International Research on Permanent Authentic Records on Electronic Systems) no tratamento de documentos digitais”.
O projeto Interpares está na sua terceira edição e é liderado por Luciana Duranti, grande autora na área de diplomática e tipologia documental. Em resumo, o projeto é uma contribuição de diversos países com pesquisa e produção acadêmica, em busca de soluções para a nova realidade: como lidar com documentos arquivísticos digitais?
O embrião do projeto foi The preservation of integrity of electronic record, durou de 1994 a 1997, na University of British Columbia (Vancouver – Canadá), dentro de um programa de mestrado em Estudos Arquivísticos, coordenado por Luciana Duranti. Deste projeto surgiram relatórios e artigos que serviram de base para o desenvolvimento das versões posteriores do projeto, que terminou apresentando requisitos de como produzir/manter um arquivo digital, baseando-se em conceitos da diplomática . Já em sua terceira edição, o projeto conta com equipes de diversos países, que realizam estudos de casos na busca do desenvolvimento de soluções seguras e adaptação da arquivística à era digital.
Um dos focos do projeto é apoiar a presunção (segundo Cláudia, nunca haverá 100% de certeza) de autenticidade de documentos digitais. Uma das maneiras é o controle de metadados e evidências (Benchmarcking Requirements) sobre controles procedimentais de produção, utilização e manutenção dos documentos arquivísticos e citou como exemplo, a aplicação da resolução número 24 do Conarq.
Também há uma busca por estabelecer e observar requisitos para apoiar a produção de cópias autênticas de documentos digitais (Baseline Requirements), que permitam condições mínimas para que o preservador possa garantir a autenticidade a longo prazo destas cópias arquivísticas. Aqui inclui também apoiar o desenvolvimento de Políticas, Normas e Estratégias que garatam essa preservação. Alguns exemplos ERA (Programa de Documentos Digitais do Arquivo Nacional dos Estados Unidos), RODA (Programa de Documentos Digitais do Arquivo Nacional de Portugal), AN Digital e e-ARQ Brasil.
Os principais pontos dos quais o projeto se ocupa é focar a autenticidade, garantindo a autenticidade quando o documento é transmitido, diferenciando autentificação e manutenção de autenticidade.

Analisando diplomaticamente um documento deve:
* Ter forma física e conteúdo estável
* Participar/apoiar uma ação
*Ter vínculos explícitos com os demais documentos produzidos pela instituição, dentro ou fora do sistema informatizado (organicidade)
* Possuir pelo menos três pessoas envolvidas na ação (autor, destinatário e redator)
*Ser interpretado por meio de contextos identificáveis: jurídico-administrativo, de proveniência, procedimentos documentais e tecnológicos.
Se os documentos quebram esses requisitos, eles podem não ser considerados arquivísticos. Segundo Luciana Duranti, este é o conceito de “documento potencial” (Cláudia relatou que muitas pessoas tiveram dificuldade de entender esse conceito no começo do projeto). Em resumo, é um documento gerado com intenção de provar uma certa atividade, mas não obedece à primeira/terceira regra acima. Essas duas são obrigatórias para o documento ser considerado arquivístico.

Outros conceitos tratados pela palestrante diz respeito à forma dos documentos. Documentos manifestados são documentos em suporte físico e derivam outros documentos, enquanto documentos armazenados é a forma pela qual são conhecidos aqueles documentos encontrados em forma digital.
Claudia esclareceu que o projeto InterPARES trabalha com bases de dados (dicionário, glossários, ontologias) de terminologias para apoiar a comunicação interdisciplinar entre os pesquisadores, que nem sempre pertencem a arquivologia e áreas afins. Em rápido acesso ao site mostrou o glossário (em inglês) que utilizam e afirmou que um novo está sendo providenciado em português.

Cláudia foi questionada a respeito de ICP e assinatura digital. Afirmou que esta é importante no processo de envio de um documento entre duas instituições, mas como a assinatura tem uma validade, assim que o documento chega ao repositório ela é retirada. Claudia afirma que até agora, a melhor alternativa são os repositórios confiáveis - devidamente certificados. Ressaltou que ainda não existe uma solução definitiva, mas podemos apoiar o desenvolvimento de mais pesquisas para enriquecer a área.
Atualmente existem 8 pesquisas do projeto InterPARES sendo desenvolvidas no Brasil, a maioria em São Paulo. O site está em processo de tradução e em pouco tempo estará em português. Acessem no link abaixo.

Site do Projeto InterPARES

Entrevista com Luciana Duranti sobre o Projeto InterPARES


13 de dez de 2010

Ciclo de Palestras ABARQ


A Associação Brasilenese de Arquivologia promoverá no dia 14 de dezembro de 2010 um evento no qual serão apresentados alguns trabalhos dos profissionais que atuam nos poderes Legislativo, Executivo e Judiciário. O evento será realizado no auditório do CEAM da Universidade de Brasília com apresentações em dois momentos, manhã e tarde.

"Atuações arquivísticas nos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário"

Dia 14 de dezembro de 2010 – 9:00 às 18:00 h.

Local:  Auditório do CEAM, da Universidade de Brasília

Promoção: Associação Brasiliense de Arquivologia – Abarq

Apoio
  • FCI/Curso de Arquivologia – UnB
  • Centro de Documentação - UnB
  • Ikhon Tecnologia
Programa
8h30 às 9h00: Inscrição e entrega de material
9h00 às 9h30: Abertura do Evento 
  • Profa. Dra. Elmira Simeão  - Diretora da Faculdade de Ciência da Informação - UnB
  • Profa. Dra. Darcilene Rezende - Coordenadora do curso de Arquivologia - UnB
  • Tania Maria de Moura Pereira - Diretora do Centro de Documentação - UnB
  • Katia Isabelli Melo de Souza - Presidente da Associação Brasiliense de Arquivologia
9h30 às 12h00:  Plenária - Atuações arquivísticas nos Poderes Executivo e Legislativo 
  • Coordenação: Kátia Isabelli Melo de Souza
  • Usabilidade e Design Emocional na Gestão Arquivística de Documentos - Profa. Dra. Ivette Kafure - Curso de Arquivologia – UnB
  • O Centro de Documentação da UnB: resultados e perspectivas - Tania Maria de Moura Pereira
  • Políticas Públicas de arquivo no âmbito do Poder Legislativo Federal: verificação da existência de uma política - Kathyanne Samara Paulino Vasconcelos, Rodrigo Gonçalves Calazans, Thais Guidolini de Lima - Alunos do Curso de Arquivologia UnB
12h00 às 14h00: Almoço

14h00 às 17h30: Plenária -  Atuações Arquivísticas nos Poder Judiciário
  • Coordenação: Vanderlei Batista dos Santos
  • O Papel Estratégico da Gestão Documental - Ana Rosa Sá Barreto -Coordenadora de Gestão Documental - Tribunal Superior do Trabalho
  • Projeto de Revitalização e Modernização dos Arquivos Médicos - Vania Franco / Ministério da Saúde
  • Além do que se vê: uso e “pós-uso” da informação orgânica arquivística - Rodrigo Fortes de Ávila- Aluno de mestrado do Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação UnB
  • As atividades do profissional de Arquivologia nas entidades nacionais do sistema indústria frente às tendências no mercado de trabalho na área de tecnologia - Ana Suely / CNI
  • Agenda histórica 2011 - Marcelo Durães e Edenise de Sousa / Arquivo Produções
Faça sua inscrição por emailabarq.arquivologia@gmail.com
  • Estudantes - R$ 10,00
  • Profissionais - R$ 20,00
  • Associados da Abarq - Gratuito

9 de dez de 2010

2º SIMTA


2º Seminário Internacional o Mundo dos Trabalhadores e seus Arquivos – Memória e Resistência

O Seminário visa realizar debates sobre os documentos reunidos pelos arquivos operários, rurais, sindicais e populares, bem como sobre as particularidades que envolvem o tratamento desses acervos, constituindo-se em um fórum privilegiado para a transferência de informações e o incentivo à recuperação e à preservação dos arquivos dos trabalhadores e suas organizações. O evento, já em sua segunda edição, contará com a participação de conferencistas e especialistas nacionais e internacionais que debaterão, a partir de diversas perspectivas disciplinares, temas de interesse no âmbito dos arquivos dos trabalhadores da cidade e do campo. Esses arquivos têm relevância por também preservarem documentos de grande importância para o conhecimento das formas de resistência ao regime militar brasileiro e para o processo de redemocratização e construção da história recente do país.

Público: Profissionais com atuação nos âmbitos dos arquivos e centros de documentação operários, rurais, sindicais e dos movimentos sociais. Dirigentes e militantes sindicais e populares. Profissionais de arquivos públicos e privados que mantêm sob sua guarda acervos de organizações dos trabalhadores da cidade e do campo. Arquivistas, historiadores, documentalistas, bibliotecários e estudantes interessados na temática.

Promoção: Central Única dos Trabalhadores (CUT) e Arquivo Nacional do Brasil

Comissão Organizadora: Formada por algumas das principais entidades que atuam na organização, pesquisa e preservação de acervos dos trabalhadores rurais e urbanos.
·       Arquivo de Memória Operária do Rio de Janeiro da Universidade Federal do Rio de Janeiro
·       Centro de Documentação e Memória Sindical da CUT
·       Centro de Documentação e Memória da UNESP
·       Memorial da Justiça do Trabalho do Rio Grande do Sul
·       Centro de Referências das Lutas Políticas no Brasil (1964 - 1985) - Memórias Reveladas
·       Núcleo de Documentação dos Movimentos Sociais da Universidade Federal de Pernambuco
·       Núcleo de Pesquisa, Documentação e Referências sobre Movimentos Sociais e Políticas Públicas no Campo da UFRRJ

Local: Arquivo Nacional – Praça da República, 173 - Rio de Janeiro – RJ
Período: 30 e 31 de março e 1º de abril de 2011

Informações: Centro de Documentação e Memória Sindical da CUT
Telefones: (11) 2108-9247 e (11) 2108-9213    -     E-mail: cedoc@cut.org.br

São Paulo/Rio de Janeiro, 30 de novembro de 2010.


Acesse aqui o material da 1ª edição do evento, em 2008